Pesquise no Meu Blog

domingo, 28 de agosto de 2011

Quem Começa Termina!?

O Candomblé é uma religião onde tudo há começo, meio e fim. Nessa ótica, há algumas regras, que não tiveram seu advento na minha jovem mente criativa, mas sim, na tradição dos antigos. Antigos Alagbés, Antigas Ìyálòrìsás, antigos Babalòrìsàs, etc.

Uma dessas regras, basilares, é a de “Quem Começa Termina”. Vejamos. No Ritual do Àsèsè, por exemplo, quem inicia (abre) é quem termina (fecha). Ou seja, aqueles Ogans que estão tocando no início, ainda que, cedam aos demais durante a cerimônia, deverão regressar para findar a mesma. O mesmo, aplica-se à quem canta para dar início, que deverá, outrossim, cantar o fechamento.

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Ao Cantar, Você Evoca o Òrìsa ou Faz Insultos e Desencadeia a Cólera? Os Cânticos no Candomblé Ketu-Nago.

Para os Ogans, esse é sem dúvidas um tema muito importante, sendo que, em grande parte dos Terreiros de Candomblé, são os Ogans os responsáveis pela condução musical das cerimônias religiosas. O universo musical sacro do Candomblé é infindo, complexo e almejado por muitos, prova disso é o “comércio negro” de fitas de Candomblé, sem falar, nas centenas de pessoas que gravam à escondida, as cerimônias religiosas como Festas/Asese/Oros, etc. Isso mostra-nos como os “Cânticos do Candomblé” são valiosos.

Mas ao cantar, o que você faz? Louva/Evoca? Faz Insultos? Desencadeia a Cólera do Òrìsà? Conscientemente ou não, podemos fazer tudo isso por meio dos cânticos dos Òrìsàs. Inicialmente, muito embora de uma abrangência singular, vou procurar dividir o que cantamos no chamado Tradicional Candomblé Ketu-Nago, da seguinte forma:

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Ijesa de Logun Ede, Não é o Mesmo Ijesa de Òsun?

Hoje vou comentar um pouco sobre esse que é, sem dúvidas, o toque mais popular do Candomblé, o Ijesa. Digo mais, esse toque extrapolou os limites da religião africana, tomando espaço também no cenário musical brasileiro. Prova disso, são os chamados Grupos Carnavalescos de Afoxé, que possuem em sua estrutura rítmica o Ijesa (Filhos de Gandhi, Korin Efan, etc.).


Ademais, há ainda, diversas músicas de conhecimento público cuja base é o Ijesa, como exemplo, menciono o quase hino “É D’Oxum” de Gerônimo (imortalizado por Gal Costa, Jauperi e, tantos outros) e “Muito Obrigado Axé”, interpretada por Ivete Sangalo e Maria Bethânia. Sobre a última, é importante frisar que, a marcação rítmica do Ijesa realizada por Márcio Brasil, percussionista de Ivete é primorosa, invejando a muitos Ogans (vejam vídeo abaixo e comprovem um verdadeiro Ijesa Nago).


segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Você vai à Uma Festa Para Sentar ao lado dos Atabaques ou Para Receber o Abraço dos Òrìsàs?

Recentemente li no perfil do Facebook do amigo Anderson, uma frase que convida-nos à uma importante reflexão. A saber: “Algumas pessoas ficam chateadas por conta de um Sèré, de um lugar mais próximo dos atabaques...quando vamos à visita de alguma casa de Asè, ficamos felizes em apenas o Òrìsà nos abraçar”.

Em verdade, não sei à quem a frase se destina ou o que exatamente a impulsionou, mas achei um ótimo mote para essa postagem.